terça-feira, 18 de novembro de 2008

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

sábado, 24 de maio de 2008

sexta-feira, 9 de maio de 2008

quarta-feira, 7 de maio de 2008

...lá fora anoiteceu.

...and in the out side get dark

........................................

tudo se despedaçou. o sonho , e o amor que é sempre tão breve. o mundo dorme sob o vento. só eu continuo acordado, em vigília. se houvesse agora uma catástrofe eu daria por ela. levantar-me-ia daqui para encarar a morte, dizer-lhe que são inutilidades o que arrasta consigo.

estou gasto. dei-me sempre mais do que podia. não há nada que me possam roubar, sou um homem espoliado de todos os bens, de todas as doenças, de todas as emoções. sou um corpo pronto para a viagem sem regresso, para o crime e para a morte. sou um corpo que se evita, um homem cujo nome se perdeu e cuja biografia possível está no pouco que escreveu. sou um corpo sem nacionalidade, pertenço às profundidades dos oceanos, ao voo da ave migrante. sou um alfabeto e não sei se terei tempo para me decifrar.

lá fora anoiteceu.

Al Berto

O outro lado de ti



The other side of you

sábado, 3 de maio de 2008

Imagem digital



Na quarta-feira passada em casa da Sofia descobri os programas de desenho digital, e agora tenho andado a experimentar as potencialidades deste novo mundo. Os resultados são básicos mas agradáveis à vista...

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Ouro no teu sangue


Gold in your blod


Textura



Estou quase a concluir dois quadros novos, mas não tenho sentido vontade de os terminar,... em vez disso tenho-me divertido a experimentar novos materiais e novas texturas.
E estão soberbas!

quinta-feira, 17 de abril de 2008

segunda-feira, 14 de abril de 2008

quinta-feira, 10 de abril de 2008

um vapor lilás e transparente

a lilac and transparent steam

.............................................................................................


um vapor lilás e transparente


pensei que nas escolas desnudariam os efebos antigos como estátuas de jardim. pintava sem cessar, pintava até deixar de pintar, as imagens fixas aborreciam-me, a pintura também. e um dia ofereci o material de pintura e dormi descansado, tinha ludibriado o destino que me haviam preparado. o sexo acordou húmido, angustiado, silencioso. houve silêncios inexplicáveis no sexo e na alma. mas não voltei a pintar. o céu estava sulcado de rostos, túmulos, máscaras de água, inscrições premonitórias. chegara o momento de começar a escrever. perscrutava as nuvens vermelhas, os sóis que gemem e caem com estrondo sobre o peito. já não conseguía sentir, só escrevia. felizes daqueles que pintam ou escrevem convencidos que isso os salvará. eu estava perdido e sabia-o.

Al Berto


A imagem é um pormenor da tela em que no momento estou a trabalhar


segunda-feira, 7 de abril de 2008

Há uma cidade a explodir no vertiginoso nevoeiro da noite


There has a City blowing up in the vertiginous moistness of the night

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Colocamos tanto azul na distância ...

We put such blue in this distance

127x42
........................................................................................


Não, não é cansaço...

Não, não é cansaço...
É uma quantidade de desilusão
Que se me entranha na espécie de pensar.
É um domingo às avessas
Do sentimento,
Um feriado passado no abismo...
Não, cansaço não é...
É eu estar existindo
E também o mundo,
Com tudo aquilo que contém,
Como tudo aquilo que nele se desdobra
E afinal é a mesma coisa variada em cópias iguais.

Álvaro de Campos

quinta-feira, 27 de março de 2008

Natureza Morta

Já há algum tempo atrás que a minha irmã me tinha pedido uma natureza morta para pendurar na parede da cozinha. Depois de muito engonhar, lá saiu isto! E nem está muito mau.
Apesar de não ter corrido mal e o resultado final ser positivo, definitivamente isto não é o que gosto de fazer e tão cedo não vou repetir...

terça-feira, 25 de março de 2008

quarta-feira, 19 de março de 2008

quinta-feira, 13 de março de 2008

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

As ultimas silhuetas da noite ardem nas fogeiras dos corpos


The last silhouettes of the night burn in the fires of the bodies
150x200

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Come chocolates, pequena. Come chocolates! Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.


Eat your chocolates, little girl!
Eat your chocolates!
Look,
there's no metaphysics on earth but chocolates.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

domingo, 24 de fevereiro de 2008

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008